Artigos

11/03/2021

TEMPOS

Prof. Tales de Sá Cavalcante

O Povo. 11/03/2021 (quinta-feira).
tales@fariasbrito.com.br

Dizia o imortal Genuino Sales que toda ficção tem algo de real. É o que aqui acontece com as vacinas irreais.

Como em “Cotidiano”, de Chico Buarque, Josiana fez tudo sempre igual. Sacudiu o marido às 6h da manhã, sorriu-lhe um sorriso pontual, beijou-o com a boca de hortelã e disse para ele se cuidar.

Mas naquele dia, sua atuação não foi a cotidiana, a fazer tudo sempre igual e mostrar a seringa descartável, o rótulo do invólucro que contém características do imunizante e a retirada do líquido mágico a transferir-se do tubo para a bisnaga e depois ao braço do beneficiário. Resolveu escolher uma vítima entre os mais velhos e, no divino momento, não pressionou o êmbolo.

Alguns colegas fizeram o mesmo, uns de idêntica e outros de diferente forma. Mas tudo foi filmado. E a polícia entrou no caso, a atestar que nossa principal crise atual não é sanitária nem financeira, é moral. Quantos desses delitos se deram e não foram notados? Talvez, muitos até levaram a óbito. Se para ajudar ou comercializar, foi crime. E dos piores.

Felizmente, a imensa maioria dos profissionais de saúde é formada por mulheres e homens de boa índole, que jamais cometeriam tais atos. Ao contrário, vários sacrificaram suas vidas em prol de outras a salvar, e a maior falha na gestão da pandemia foi não reconhecer a sua abnegação.

Terezinha integrava essa maioria e se deslocou a uma comunidade indígena na Amazônia para imunizar o grande líder da região e seu povo, que o idolatrava. No trajeto, ela refletia sobre os graves erros de seus colegas e lembrava a existência de outras vacinações falsas, quais sejam, as de muitos políticos, cujas seringas são suas promessas. Ao ingressar na aldeia, lágrimas revelaram sua tristeza ao constatar que a vacina não chegara a tempo. Dava-se, naquele instante, o funeral do cacique, vitimado pela Covid-19.

Ao voltar, ela admirava a beleza de nossa Amazônia e, ao recordar a importância mundial de sua preservação, tornou a chorar e refletiu: “Eu sei quem matou o notável indígena. Foi o tempo. Mas haverá um outro tempo. Será o que dedicarei a descobrir quem foram os mandantes.”

Veja mais

06/05/2021
( Professor Tales de Sá Cavalcante )
08/04/2021
( Professor Tales de Sá Cavalcante )
11/02/2021
( Prof. Tales de Sá Cavalcante )
14/01/2021
( Prof. Tales de Sá Cavalcante )
11/12/2020
( Prof. Tales de Sá Cavalcante )